Pesquisa de saúde mental mostra 37,5% de colaboradores mais ansiosos por ações dos gestores

Pesquisa de saúde mental mostra 37,5% de colaboradores mais ansiosos por ações dos gestores

Fonte: ClickPB
Por Mônica Melo
Publicado em:
Foto: Reprodução/ClickPB

Uma plataforma da startup com 1.174 colaboradores de clientes realizou uma pesquisa entre janeiro e abril deste ano, e verificou que 76,3% (896) deles acreditam que o seu gestor influencia a forma que ele se sente no trabalho.

Destas 896 pessoas, 37,5% disseram que o sentimento mais despertado pela liderança no colaborador é a ansiedade, seguido pela calma (19,3%), estresse (17,5%), orgulho (16,5%) e inferioridade (9,2%).

De acordo com Rui Brandão, vice-presidente de Saúde Mental da Conexa, a alta porcentagem de ansiedade e estresse citada na pesquisa indica que muitos funcionários enfrentam dificuldades emocionais no ambiente de trabalho, possivelmente devido a pressões excessivas ou falta de suporte adequado. Os possíveis fatores que podem causar os sentimentos mencionados são:

“Gestores que entendem seu impacto emocional podem adotar estratégias para promover um ambiente de trabalho mais positivo e produtivo, onde os colaboradores se sentem valorizados, motivados e engajados,” diz Brandão.

Outro ponto a ser destacado é que a sobrecarga de trabalho e a urgência constante na execução das tarefas podem aumentar os níveis de estresse, resultando em burnout. Na pesquisa, 54,7% dos entrevistados afirmaram que sofrem estresse, por exemplo, quando o gestor repassa a pressão que ele recebe para os seus subordinados.

A pressão excessiva tende a ser contraproducente, prejudicando o desempenho e o bem-estar dos funcionários. Um total de 49,7% das pessoas ouvidas não considera que ser pressionado ou ter um pouco de estresse vai aumentar sua produtividade. “Essa opinião pode ter sido indicada no levantamento devido ao fato de que a pressão excessiva pode levar a estresse, ansiedade e burnout, resultando em uma queda na eficiência e qualidade do trabalho”, avalia Brandão. No entanto, 36,7% acreditam que, às vezes, a pressão ou estresse influenciam no aumento da produtividade. Apenas 11,8% acham que a pressão aumenta a produtividade.

Outra questão avaliada pelos colaboradores foi o ato de delegar: apenas 44,2% deles acreditam que seus gestores sabem delegar de maneira eficaz. Isso significa que menos da metade da equipe tem confiança plena na capacidade do gestor de distribuir tarefas adequadamente.

Além disso, quase um terço dos colaboradores (31,8%) sente que os gestores às vezes delegam bem. Isso sugere que a eficácia da delegação é percebida como inconsistente, possivelmente, variando com a situação ou a carga de trabalho. Um quinto dos colaboradores (21,3%) acredita que seus gestores não sabem delegar. “Esta percepção pode indicar problemas significativos na gestão de tarefas e responsabilidades, levando a uma sobrecarga de trabalho para os gestores e uma subutilização das habilidades da equipe”, explica Brandão.

A coordenadora de saúde mental da Conexa, a psicóloga Carolina Porfírio, avaliou o tom de voz e a socialização dos colaboradores que responderam a pesquisa.

O estudo identificou que a maioria dos gestores (69,2%) não eleva o tom de voz ou ameaça subordinados, o que é um sinal positivo de comportamentos gerenciais respeitosos, segundo Carolina. No entanto, 14,1% dos respondentes ainda experimentam esse tipo de comportamento frequentemente, indicando que há espaço para melhorias em termos de comunicação e resolução de conflitos.

As reações dos funcionários a um gestor que eleva o tom de voz variam significativamente, revelando diferentes níveis de resiliência e impacto emocional. Entre os colaboradores, 37% relataram que mantêm a serenidade quando o chefe eleva o tom de voz, enquanto 31,1% ficam estressados ou nervosos. “Isso reflete a capacidade de resiliência de parte da força de trabalho, mas também destaca a necessidade de estratégias de apoio para aqueles que se sentem vulneráveis ao estresse”, analisa a psicóloga.

Um total de 22,9% respondeu que já se acostumou com o gestor, o que, segundo Carolina, indica uma forma de aceitação ou ressignificação, mas não necessariamente um ambiente saudável. A psicóloga ainda alerta para os 8,5% que se sentem assustados com as reações do gestor. “Embora seja uma proporção menor de colaboradores que se sente intimidado, isso pode levar a um ambiente tóxico e a problemas de saúde mental”, diz ela.

A pesquisa também avaliou a socialização entre gestores e colaboradores e verificou que há momentos de socialização entre eles, segundo 49,4% dos funcionários ouvidos. A participação ativa de gestores em momentos sociais como almoços, cafés e eventos de lazer tem o potencial de fortalecer os laços de equipe e promover um ambiente de trabalho mais coeso e agradável. No entanto, há espaço para melhorias, especialmente para os 23.9% que não participam dessas interações sociais.

A maioria dos colaboradores (56,1%) acha que seu gestor contribui para o bom ambiente do trabalho. Apenas, 15,5% acha que não. Esse resultado mostra que a maioria dos funcionários sente que seus gestores estão ativamente contribuindo para um ambiente de trabalho saudável e produtivo. Esse comportamento geralmente inclui: Comunicação clara e aberta, apoio e reconhecimento do trabalho da equipe, criação de uma atmosfera colaborativa.

Segundo a psicóloga da Conexa, a pesquisa destaca a influência crucial dos gestores no bem-estar emocional e na produtividade dos funcionários. “Embora haja aspectos positivos, como a participação em atividades sociais e a ausência de comportamentos agressivos em muitos casos, áreas como a gestão de pressão, delegação eficaz e comunicação respeitosa precisam de atenção. Investir no desenvolvimento das habilidades de liderança dos gestores pode resultar em um ambiente de trabalho mais saudável, produtivo e satisfatório para todos”, analisa.

 

Fonte: https://www.clickpb.com.br/saude/pesquisa-colaboradores.html